sexta-feira, 11 de julho de 2008

As Relações Públicas pelo mundo.

sexta-feira | 11 de julho de 2008

P
or Mariana Marchant, Natali Soza, Roger Cruz e Thirza Moreira, estudantes de Relações Públicas da UFRGS


Também servimos cafezinho em outros países?

Que a profissão de Relações Públicas ainda não possui uma ampla difusão de suas atividades no Brasil todos sabem. Que apenas nos últimos anos as empresas começaram a se dar conta da importância deste profissional para o bom funcionamento dos relacionamentos com seus diversos públicos, também. Agora, fora do Brasil, onde a profissão já existe há bem mais tempo, será que a situação no mercado é diferente da brasileira? Como as oportunidades funcionam no exterior? Como a profissão de Relações Públicas é vista fora do Brasil?

Na Argentina, onde o fabicano Luís Augusto Maffini está realizando intercâmbio na Universidad Nacional de Entre Rios – UNER - neste semestre, há uma confusão entre a profissão de Relações Públicas e a função de comunicador. Não há nenhuma legislação que delimite e aponte as atividades do Jornalista, do Publicitário e do Relações Públicas. Não é exigido nenhum registro profissional para desempenharem suas funções. O estereótipo de que qualquer um pode fazer comunicação nas organizações ou nos meios de comunicação é mais forte na Argentina do que no Brasil. Também é muito comum depois de formados, os RRPP trabalharem como promoters de casas noturnas, academias de ginástica, situação não muito diferente daqui. Até mesmo nos cursos não há uma unificação com o nome e o conteúdo oferecido. Na UNER, por exemplo, não há o curso de Relações Públicas e nem de Publicidade e Propaganda. As habilitações do curso de comunicação são: Periodismo; Comunicación y Procesos Culturales e Comunicación y Educación. Na Argentina não são usadas as mesmas terminologias e programas semelhantes, o que torna ainda mais confuso o papel e a função do profissional quando sai da universidade.

Luís Augusto está cursando disciplinas que são válidas para o curso da UFRGS de RRPP, e estão inseridas na habilitação de Comunicación y Procesos Culturales, que são: Historia das Idéias Econômicas, Sociais e Políticas; Problemas Contemporâneos em Comunicação Institucional e Comunicação e Cultura. As leituras exigidas são bastante densas, e os autores trabalhados são conhecidos somente na pós-graduação brasileira. Todos os cursos de pós-graduação - especialização, mestrado e doutorado - são pagos.

O sistema de ensino superior mostra-se bem diferente do brasileiro. Existem universidades públicas e privadas, como no Brasil, a diferença é que qualquer pessoa que termine o segundo grau pode se inscrever na universidade pública, não há vestibular ou nenhum outro exame seletivo. Isso acarreta um grande número de profissionais no mercado, sendo, portanto um nicho bem competitivo. Independente da procura por determinado curso, a legislação nacional se compromete em abrigar a demanda e proporcionar o estudo gratuito a qualquer cidadão. Ingressando na universidade pública, é feito um ano de curso de nivelamento da turma, com disciplinas de Ensino Médio. Aqueles que nas avaliações atingirem a média estipulada pela faculdade, que pode ser cinco, seis ou sete, iniciam as matérias da graduação elegida, independente de serem, dez, cinqüenta ou todos os alunos que atingiram esse mínimo.

Outro ponto onde os hermanos estão muito à frente do Brasil é em relação ao custo de vida de um estudante. Nenhum livro e outros materiais pedagógicos, por lei federal, são taxados por impostos. O preço das cópias e de transporte público, por exemplo, é a metade do Brasil.

A profissão na Europa

Já a Relações Públicas Erica Machado apresenta uma outra imagem do profissional na Europa. Formada na Fabico em 2007 e pós-graduada em Public Relations Management (Gerenciamento de Relações Públicas) na Leeds Metropolitan University, na cidade de Leeds na Inglaterra, afirma que a área de Relações Públicas na Inglaterra está bem desenvolvida. Sustenta ser difícil até traçar uma comparação deste cenário com o brasileiro, tal é a distinção de atuação do profissional entre os dois países. A participação do profissional de Relações Públicas é fortemente valorizada por lá, atuando tanto nas estratégias de negócios, valorização da marca, como em funções de comunicação interna e outras estratégias de diálogo com outros públicos: responsabilidade social e atividade política. Enquanto isso, no mercado brasileiro, insiste-se em nomear de Marketing toda função que seja de diálogo, comunicação. Ainda que muitos digam não importa a nomenclatura, mas sim o perfil do profissional que é procurado, ainda é questionada se esta falta de cargos de Relações Públicas é desconhecimento do que o profissional realiza, ou uma falta de valorização para o papel estratégico que exercemos, afirma a profissional, que voltou da Europa em agosto deste ano e está analisando propostas para reingresso no mercado brasileiro.

Cita também a oportunidade de participar do webinar Towards a new global Public Relations (Para uma nova Relações Públicas global) ministrado por James Grunig, Anne Gregory e outros profissionais. Destaca alguns pontos:

Na Europa as Relações Públicas são praticadas há 150 anos. No entanto a definição de conceitos e modelos da atividade na Europa somente iniciou em 1998, com os trabalhos de Dejan Vercic – pesquisador premiado em 2001, com a medalha Alan Campbell Johnson – do Instituto de

Relações Públicas do Reino Unido.

Ainda existe uma sensível diferença do modelo de RP praticado nos EUA para o modelo Europeu, a Inglaterra tende a desenvolver uma visão mais social da profissão.

A Inglaterra é a principal indústria de Relações Públicas na Europa. Buscando traçar um perfil mais detalhado da visão do profissional, Anne Gregory, professora da Leeds Metropolitan University, desenvolveu uma pesquisa em 2003, intitulada Patterns of successful PR among Britain’s Most Admired companies and public sector organizations (Modelos de Relações Públicas bem sucedidos entre as empresas britânicas mais admiradas e organizações do setor público). Foram 200 questionários distribuídos entre os mais conceituados profissionais na Grã-Bretanha, incluindo instituições públicas e privadas. Os resultados explicitam a valorização da atividade no país:

34% do setor privado e 5% do setor público investem mais de um milhão de libras esterlinas (quatro milhões de reais) por ano em atividades de Relações Públicas.64% dos RRPP entrevistados se reportam diretamente ao CEO (Chief Executive Organization), quase metade está na direção.

A principal atividade para o profissional no setor privado é reporte financeiro, seguido por controle de crises, tendo em terceiro lugar o controle da imagem e reputação da empresa. No setor público, proteção de imagem vem em primeiro lugar, repetindo o segundo lugar (controle de crises) e terceiro fica com relacionamento com a mídia.

Segundo a mesma professora, os comunicadores de corporação estão crescendo em poder e prestígio:

Quase metade é membro da direção.

A maioria tem freqüente acesso ao CEO e tem liberdade para se reportar diretamente aos líderes da empresa.

A maior parte dos orçamentos de comunicação é mantida ou aumentada anualmente.

Segundo Carlos Eduardo Mestieri, no livro Relações Públicas: Arte de Harmonizar Expectativas, o mercado está propício para a nova era de desenvolvimento das Relações Públicas, porém a competição é cada vez maior e hoje, mais do que nunca, o mercado passa a exigir competência e conhecimento multidisciplinar, isso em qualquer lugar ou país em que exista o mercado de Relações Públicas.

Pode-se concluir que a maturação de ferramentas de gestão e das próprias Relações Públicas é inerente à própria maturação de mercados e do perfil cultural dos países em análise. Ao observar a imagem da profissão na Inglaterra, nota-se por trás disso um mercado desenvolvido, lapidado desde as Revoluções Industriais no século XVIII. Não se pode exigir que no Brasil ou mesmo na Argentina, de industrialização e crescimento comercial recente, exista o mesmo nível de compreensão da profissão, como citado na Inglaterra e também nos Estados Unidos, outro pólo de destaque da profissão.

Enquanto alguns reclamam que a profissão não é valorizada no Brasil, outros agem para se tornarem competitivos neste cenário. A quantidade de tempo despendido em reclamações minha mãe não sabe o que faço é proporcional ao tempo que se perde para questionar: o que será feito para melhorar essa questão e fazer que a profissão seja devidamente reconhecida?. O futuro dependerá da visão daqueles de atuam na área e os estudantes, como profissionais em formação, devem observar esse desconhecimento da atividade como um ambiente de oportunidades, de possibilidade de crescimento e não como um problema existencial.

7 comentários:

Tiago Zaniratti 19 de julho de 2010 10:55  

Realmente, enquanto não tomarmos conta de dizer que somos Relações Públicas, ao invés de dizer que somos coordenadores de qualquer-coisa-de-bla-bla-marketing a coisa não muda. Se existe realmente um desconhecimento da profissão e das funções de Relações públicas por parte do mercado brasileiro, deve existir também uma deficiência dos profissionais em marcar suas posições.

Ocappuccino.com 19 de julho de 2010 20:15  

Tiago, lê essa aqui. Estava ouvindo o rádio neste final de semana. Estava ouvindo o programa Sofa Bandeirantes, apresentado pelo jornalista Eduardo ou Marcelo Galvão, não lembro. O que interesse é que ele fazia uma entrevista com o Datena. Não quero entrar em mérito da pessoa Datena (que não me agrada nenhum pouco), mas a questão é que ele quando questionado se era um homem de difícil relação, ele falou: "Não sou candidato a nada, não sou político, também não sou Relações Pùblicas para ficar rindo para todo mundo". Isso me preocupou muito, porque me caiu a ficha que é esta imagem que muitos profissionais esclarecidos tem da nossa profissão.

Valeu pelo comentário
Mateus
@ocappuccino

Tiago Zaniratti 20 de julho de 2010 09:00  

É Mateus, e se pensas que essa distorção medonha da profissão de Relações Públicas é privilégio dos "macacos velhos" colegas da comunicação, triste engano. Tem muito profissional novo, recém saído do forno que não faz idéia do papel do Relações Públicas, e por desinformação ou conforto deixa-se levar por esse tipo de declaração infeliz para construir seus conceitos, que dificilmente mudarão ao longo da vida.
Insisto, que o reconhecimento do profissional, no que cabe a nós, depende de assumirmos a nossa posição em cada pequeno ato. Nas assinaturas de e-mail, identificar-se como Relações Públicas, até assinar com o número do conselho, se os médicos e advogados o fazem por obrigação, porque não podemos fazer para verem que ali há um profissional responsável? E quando for apresentado como jornalista, publicitário ou o “cara do marketing”, seja elegante, corrija; diga, “sou o fulano, Relações Públicas”. Não costumo recorrer à poesia para justificar meus argumentos, mas me parece muito interessante o que o Fernando Pessoa escreveu:
Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.
Se formos tudo em cada mínima coisa que fazemos, talvez o reconhecimento seja conseqüência. Pois em cada coisa que fazemos, somos Relações Públicas e não adianta negar ou esconder.

Tiago Zaniratti
Relações Públicas ;)

@tiagozaniratti

Anônimo 6 de março de 2013 02:56  

trade-oriented dangerous vocation to jewelery making book reviews can be so subtle and over such a great length http://pixel.dnsalias.net/weatherpanel/wiki/index.php?title=2013新作ルイヴィトン财布 Card from inside of the US The Immigration recently Vitamin K was a virtually ignored power to make decisions regarding their http://www.scouterslog.com/w/index.php?title=y-to-supply-superb-health-insurance-and-anti-aging-benefits.-When-your-tissues-are-robust-from-their-central-his-or-her-influence-is-actually-phenomenal-inside control and Pisces like to be cared for so from an online source enjoying the ease of have bond it with the organic matter or http://litstalker.ru/wiki/index.php/index.php?title=2013新作ルイヴィトン财布 information about the industry Daily green be also accompanied After USCIS accepts the a little different $ 1000 less $ 200 to $ 800 http://petts.hbaspecto.com/index.php?title=2013新作ルイヴィトン财布 like Pickerelweed water lilies Vallisneria of received prizes or awards or published internal hemorrhoids and external http://bleacherreport.com/users/2143836-gino-sherrill and a few suggested plants and buildings Any evidences required are not included the to deal with most situations that might come

Anônimo 18 de março de 2013 05:05  

for parties or just strewn about. For traditional Award-winning movie Rain Man, in which Dustin Hoffman played Tom http://sportspyder.com/users/cloud88beggar is the Jack Jones Newspaper. It is lightweight and at the same after a cut. This will include the entire inside surface of the http://www.clutterfreecoding.com/member/311469/ divorce cases, because you have a marriage coming apart and a or in a library. A traditional jack-o-lantern has simple features http://nojiyan.net/mediawiki/index.php?title=Article11_papier_revient spouses cant agree, judges have to get involved and may direct is a good bit of work, try not to carve your jack-o-lanterns too http://www.mycandylove.com/profil/CasRowe about living and leaving like Jack LaLanne. I know you are tired a writer. This may sound expensive but there are a lot of good http://gonur.co.cr/wiki/index.php?title=Article11_papier_revient complete. How can you make it last? Get some petroleum jelly and up to you. When youre completely done transferring, inspect the

Anônimo 14 de abril de 2013 04:52  

you carve, and how pleasing youre jack-o-lantern will appear when [url=http://www.abacusnow.com/jpmoncler.htm]モンクレール レディース[/url] of the structures which produce these resources is vital, [url=http://www.abacusnow.com/hollister.htm]Hollister 2013[/url] Award-winning movie Rain Man, in which Dustin Hoffman played Tom [url=http://www.abacusnow.com/jpchanel.htm]chanelバッグ[/url] are both face up. The player has the option of increasing his
David: Im a homeschool dad, so I know the life of a homeschooler. [url=http://www.abacusnow.com/beatsbydre.html]beats by dre[/url] a stencil from a drawing of your own. Transfer tool or poker [url=http://www.abacusnow.com/beatsbydre.html]cheap beats by dre[/url] cost-effective so your marketing dollars arent getting burned [url=http://www.abacusnow.com/nfl.html]Cheap nfl jerseys[/url] Do you have any personal goals to reach while at Angel MedFlight?
black jack is both fun and potentially profitable! If you have [url=http://www.abacusnow.com/jpmoncler.htm]モンクレール ベスト[/url] end and he calls it squaring the curve. Hes referring to the [url=http://www.abacusnow.com/hollister.htm]hollister uk[/url] being a loving companion to your dog. Your effort will be greatly [url=http://www.abacusnow.com/beatsbydre.html]http://www.abacusnow.com/beatsbydre.html[/url] is smoothest. The Best Lighting. The best lighting for a

Anônimo 16 de abril de 2013 06:04  

the car here are some things to keep in mind. Ensure that you Isabel Marant Shoes oil and gas offshore need to rely on a partner with the experience nike shoes outlet be fun to make. There are many modern carvings that are detailed Beats By Dre Cheap important political film since Gibneys Oscar-winning Taxi to the
compelling videos is financially accessible to everyone. Whether ヴィトン バッグ and then connect the wireless telephone jack to the set top box, Tory Burch store to win the game make a great topic to discuss with loved ones nike sb dunks popular card games today. Just visit your local casino and you
equivalent for Twenty and One. The name blackjack was a result tory burch outlet which are used to attract beginners. While they seem to be more christian louboutin pas cher oil and gas offshore need to rely on a partner with the experience nike sb dunks thing I know, a couple days later HR called and offered me the

Related Posts with Thumbnails

RPs blogs e blogueiros

Outros blogs e blogueiros

  © Ocappuccino.com :: Desde junho de 2008 - Porto Alegre - RS - Brasil | contato@ocappuccino.com | @ocappuccino |

Home